Desprezo

José de Alencar
 
Esta alma que insultaste se revolta!
Em sua viuvez erma e vazia

Nem sombra guardará de tua imagem

Tanto amor que por ti ela sentia.

Não há de lhe arrancar, nem mais um canto,

Que não seja apagado por meu pranto.

 

Como a flor a beleza loga murcha;

A tua há de murchar em poucos anos;

Quando a ruga da face anunciar-te

Da velhice aos tristes desenganos

Quando de ti já todos esquecidos

Nem te olharem, meus versos serão lidos.

 

Talvez um dia o mundo caprichoso

Procure, nobre dama, algum vestígio

Da mulher que meus livros inspirava;

Não achará porém de teu fastígio,

Senão traços de lágrima perdida

Arcano d'uma dor desconhecida.

 

O tempo não respeita altiva fronte

A riqueza, o brazão, tudo consome.

Um dia serás pó e nada mais;

Ninguém se lembrará nem de teu nome;

Mas para que de ti reste a memória,

Mulher, no meu desprezo eu dou-te a glória.

Exibições: 3242

Comentar

Você precisa ser um membro de MP Cidadania para adicionar comentários!

Entrar em MP Cidadania

Criação e atualização:

Contador de Acessos

Siga o twitter do programa

follow me buttons

@mpcidadania

Visite-nos no Facebook

Acesse: MP Cidadania

Fórum

Escola municipalizada pode cobrar taxa para alunos

Iniciado por SOFIA GUIMARÃES MONTEIRO em Fórum 29 Maio, 2016. 0 Respostas

Escola municipalizada pode cobra taxa para alunos

Iniciado por SOFIA GUIMARÃES MONTEIRO em Fórum 29 Maio, 2016. 0 Respostas

Criação cadastro único do fundeb

Iniciado por SOFIA GUIMARÃES MONTEIRO em Fórum 29 Maio, 2016. 0 Respostas

© 2017   Criado por Clodoaldo Silva da Anunciação.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço